CRM 112.144 - RQE 29.115
Voltar
Abdominoplastia

Abdominoplastia

A Cirurgia Plástica para tratar a flacidez abdominal é conhecida como Abdominoplastia

 Homens e mulheres podem realizar esta cirurgia para diminuir volume e

 gordura da região do abdômen e recuperar a auto estima

 

A abdominoplastia, ou dermolipectomia abdominal como é conhecida, é a cirurgia plástica estética e reparadora para retirar excesso de pele na região do abdome e tratar a flacidez do plano muscular. É uma das cirurgias plásticas estéticas mais procuradas, especialmente, pelas mulheres que, por diversas razões, sofreram alterações na região do abdome e, com isso, passaram a se sentir mal com a aparência e a flacidez locais.

As principais causas para a flacidez de pele e da diástase do músculo reto abdominal (separação entre os ventres musculares) são a gestação e a perda acentuada de peso corporal. Com a flacidez e a diástase muscular, o abdome ganha aspecto abaulado e com um excedente de pele em forma de “avental” na porção inferior.

A abdominoplastia pode ser combinada com outras cirurgias como lipoaspiração das costas e da cintura, lipoescultura, mamoplastia e colocação de próteses mamárias. A associação da plástica de abdome com a lipoaspiração da porção lateral do tronco é uma das armas mais poderosas da cirurgia plástica para afinar e definir a cintura.

Para que você possa entender melhor, preparamos uma seleção exclusiva de dicas com detalhes sobre a abdominoplastia ou dermolipectomia para esclarecer as principais dúvidas a respeito dela.

 

CONSTITUIÇÃO DO ABDOME

A parede abdominal é formada por várias camadas: pele, tecido subcutâneo (gordura), fáscia muscular (camada fibrosa que envolve a musculatura), musculatura e peritônio.

O abdome é uma das regiões do corpo com maior tendência ao acúmulo de gordura, tanto em homens como em mulheres. Após a perda de peso e com o processo de envelhecimento, o abdome apresenta grande propensão à flacidez (sobre de pele), condição que não melhora com a prática de atividades físicas.

Além disso, durante a gestação e para acomodar o bebê, a pele abdominal se distende e o músculo reto abdominal, localizado na porção anterior, se separa (diástase). Após o parto, geralmente há uma flacidez cutânea residual e a diástase não torna a fechar. A diástase muscular torna o abdome abaulado e esse aspecto é popularmente conhecido como “estômago alto”.

 FINALIDADE DA ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

A dermolipectomia ou cirurgia plástica de abdominoplastia tem como finalidade tratar a flacidez abdominal. Isso será realizado pela retirada do excesso de pele (“avental”) e pela correção da diástase (separação) da musculatura do abdome. Além disso, algumas áreas de gordura localizada são reduzidas e pontos específicos para mudar o formato do abdome são dados para torná-lo esteticamente mais belo.

Sempre que possível, grande parte das estrias decorrentes de gestação ou ganho de peso são retiradas. A lipoaspiração da cintura e das costas pode complementar a abdominoplastia, otimizando a estética de todo o tronco.

QUEM PODE FAZER A ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

A abdominoplastia ou cirurgia plástica reparadora e estética do abdome pode ser realizada por homens e mulheres que não apresentem doenças crônicas graves sem controle e que não apresentem excesso de peso.  Se a mulher deseja ter filhos, é recomendado que os tenham antes da cirurgia e aguarde um ano após o parto para a realização de abdominoplastia.

Desde a primeira consulta, o cirurgião plástico avalia as possibilidades e indica ao paciente o que pode ou não ser realizado em seu corpo, além de indicar o melhor momento para se fazer as cirurgias plásticas, levando em conta a particularidade de cada paciente, bem como as suas condições de saúde em geral e riscos pré-existentes.

Esta cirurgia não substitui a necessidade de atividades físicas para manter o peso corporal e tonificar os músculos. A dermolipectomia não é considerada uma cirurgia para emagrecimento: é um tratamento para flacidez.

CONHEÇA O PERFIL DE QUEM PROCURA A ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

A cirurgia reparadora e estética do abdome ou dermolipectomia é procurada por homens e mulheres de diferentes idades que visam tratar a flacidez, eliminar o excedente de pele e corrigir a diástase do músculo reto abdominal.

As principais causas de flacidez e de diástase muscular são processo de emagrecimento acentuado (após dieta, adoção de atividades físicas ou cirurgia bariátrica) e gestação.

A dermolipectomia ou abdominoplastia pode ser combinada com outras cirurgias plásticas para potencializar a mudança do contorno do corpo. Entre os procedimentos mais comumente associados, estão: lipoaspiração, lipoescultura, mamoplastia redutora, mastopexia, colocação de próteses de silicone. A associação de cirurgias aumenta o porte e a duração do procedimento. Assim, o cirurgião irá avaliar cada caso para saber e o paciente está apto a realizar uma cirurgia combinada.

CONHEÇA COMO É FEITA A CIRURGIA DE ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

O cirurgião demarcará o excedente de pele a ser removido.

Além da remoção cutânea, a diástase muscular será tratada pela aproximação dos 2 ventres do músculo reto abdominal. Outros pontos estratégicos são realizados para melhorar a forma do abdome e para redistribuir a pele remanescente.

Quando necessário, a região pubiana (monte de Vênus) deverá ser tratada. O excesso de gordura dessa região é retirado e, caso haja flacidez da região pubiana, será realizado um lifting (levantamento) local. É essencial que os contornos do abdome e do monte de Vênus estejam em harmonia.

A cicatriz umbilical deve receber uma atenção especial para que não tenha uma aparência artificial e não denuncie a realização de cirurgia. Caso necessário, a cicatriz umbilical será reconstruída e reposicionada, embora isto seja uma exceção.

CONHEÇA AS DIFERENTES TÉCNICAS DE ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

Existem diferentes técnicas para a realização de abdominoplastia ou dermolipectomia, conhecidas como:

Tradicional ou Clássica

A técnica tradicional ou clássica de dermolipectomia ou abdominoplastia tem como finalidade remover o excesso de pele e corrigir a flacidez muscular do abdome, indicada também para correção de diástase (afastamento dos músculos). Neste procedimento, toda ou quase toda a pele abaixo da cicatriz umbilical é removida. A cicatriz fica abaixo da linha do biquíni, facilmente disfarçada em diferentes ocasiões com necessidade de amostra do abdômen.

Miniabdominoplastia

A miniabdominoplastia é uma versão reduzida da abdominoplastia tradicional, com cicatriz (incisão) menor. Porém, apenas uma minoria dos pacientes se beneficia desta técnica. A miniabdominoplastia está indicada para pacientes que apresentam flacidez leve abaixo do umbigo e que não tenham flacidez ao redor e acima da cicatriz umbilical. Também deve ser evitada em pacientes que possuam a cicatriz umbilical baixa.

Abdominoplastia em “Âncora”

A técnica de abdominoplastia em âncora está indicada para pacientes que apresentam grande flacidez e um excedente de pele acentuado principalmente na porção central do abdome.

Nesta cirurgia, além da pele abaixo da cicatriz umbilical, uma faixa central vertical de pele também é removida. Isso resulta em 2 cicatrizes: uma horizontal baixa e uma vertical no centro do abdome que, juntas, lembram o formato de uma âncora. É a técnica de abdominoplastia que consegue remover a maior quantidade de pele, mas isso é realizado às custas de uma cicatriz maior. Por este motivo, está reservada para os pacientes que apresentam grande flacidez.

Abdominoplastia Circunferencial ou 360º

Na técnica de abdominoplastia circunferencial ou 360°, a remoção de pele realizada na abdominoplastia clássica continua com a remoção de pele da cintura e das costas. Assim, a cicatriz resultante é circunferencial (360°) ou quase circunferencial.

Não é um procedimento comumente realizado e está indicado apenas para pacientes com grande flacidez e que desejam remover pele da cintura e do abdome ao mesmo tempo.

CICATRIZ

Na cirurgia de abdominoplastia clássica ou miniabdominoplastia, a posição da cicatriz deve ser programada de forma a ficar escondida sob a calcinha, biquíni ou sunga.

Na abdominoplastia em âncora, além da cicatriz inferior, haverá uma cicatriz vertical no meio da parede abdominal. Infelizmente, esta cicatriz vertical não será coberta pela calcinha ou sunga.

A cicatriz umbilical deverá ser pequena e apresentar aspecto natural. Existem técnicas específicas para deixar a cicatriz umbilical profunda e sem cicatrizes à mostra, evitando a aparência de um umbigo artificial e que denuncia a cirurgia.

PRÉ-OPERATÓRIO

Além da avaliação presencial, o cirurgião plástico solicitará exames laboratoriais para certificar-se das condições gerais de saúde da paciente, indicará a suspensão de fumo (cigarros e derivados) e poderá pedir a realização de exames específicos como ultra-som da parede abdominal (para estudar a diástase e investigar a presença de hérnias), eletrocardiograma e radiografia do tórax. No caso das medicações de uso contínuo, poderá ajustá-las e, ainda, recomendar a suspensão de aspirinas, anti-inflamatórios e medicamentos naturais que são propícios ao aumento de sangramento.

PÓS-OPERATÓRIO

O pós-operatório não requer grandes sacrifícios e pode ser diferente para cada pessoa, levando em conta a resistência e regeneração individual. O paciente deverá usar dreno nos primeiros dias de pós-operatório e evitar esforços físicos nas primeiras semanas, conforme orientações do cirurgião plástico.

A rotina normal poderá ser retomada gradualmente de acordo com as indicações do cirurgião plástico. O uso de cinta compressiva será necessário nos primeiros 2 meses para conter o inchaço, reforçar a musculatura durante o estágio inicial de cicatrização da correção da diástase e evitar a formação de seroma (acúmulo de líquido livre sob o tecido subcutâneo). Durante o primeiro mês, é normal o corpo não apresentar diminuição de peso por conta do inchaço. O resultado final poderá ser avaliado após 3 meses.

É importante ressaltar que os pacientes devem seguir as recomendações do cirurgião plástico sobre a conduta adequada de pós-operatório para garantir os melhores resultados de sua dermolipectomia ou abdominoplastia. Adotar uma alimentação saudável e uma rotina de atividades físicas irá potencializar o resultado da cirurgia.

CONTRA-INDICAÇÕES PARA ABDOMINOPLASTIA / DERMOLIPECTOMIA

É importante ressaltar que toda cirurgia pode ter contra-indicações, levando-se em conta muitos fatores sobre a saúde, rotina e expectativa das pacientes. A Dermolipectomia ou Abdominoplastia (cirurgia de tratamento da flacidez do abdome) não é uma cirurgia para emagrecimento e deve ser evitada em pacientes que estejam muito acima do peso.

A cirurgia também deve ser evitada em pacientes com doenças crônicas graves não controladas e em pessoas que possuem expectativas acima dos resultados possíveis.

POSSÍVEIS COMPLICAÇÕES DA ABDOMINOPLASTIA

Toda cirurgia pode apresentar complicações após a sua realização e não é diferente na Abdominoplastia ou Dermolipectomia Abdominal. Para evitá-las, é muito importante seguir as recomendações (à risca) do cirurgião plástico e garantir um resultado satisfatório.

Entre algumas complicações raras, podem surgir hematomas ou seromas, que são caracterizados pelo acúmulo de sangue ou fluidos sob a pele, que precisarão ser removidos. Também podem ocorrer alterações de sensibilidade, cicatrização inestética, infecção, sangramento, necrose e resultados insatisfatórios que podem ser reparados posteriormente.

BENEFÍCIOS

Os benefícios de quem realiza o procedimento de abdominoplastia são inúmeros. Além de proporcionar a melhora estética do contorno da região abdominal, ajuda a elevar a auto-estima, promove saúde física e mental, proporciona bem estar, jovialidade e liberdade para a realização de determinados movimentos e adoção de atividades físicas.

Agora que você sabe tudo sobre abdominoplastia ou dermolipectomia abdominal, pode agendar uma consulta e esclarecer outras dúvidas, incluindo a combinação de outros procedimentos para ressaltar ainda mais a sua beleza.  

ATENDIMENTOS

A Clínica Walter Matsumoto possui unidades na Zona Norte e Sul de São Paulo para atender presencialmente e por teleconsultas todas as regiões e municípios da grande São Paulo. Oferece total infraestrutura para atendimento e acompanhamento de pré e pós-operatório, curativos e pequenas cirurgias. Também, conta com estacionamento e horários de agenda espaçados para garantir segurança e distanciamento de contato entre os pacientes durante a quarentena / pandemia do Covid-19.

CONSULTÓRIOS

Unidade Zona Norte em São Paulo
Rua Conselheiro Saraiva, 207, cj. 606 – Santana, CEP: 02037-020 – Zona Norte, SP.
Contatos: 11-2959-3336 / 11-97496-2085 (WhatsApp comercial).
Com acesso controlado, possui estacionamento pertencente ao prédio comercial.

Unidade Zona Sul em São Paulo
Rua Pequetita, 111, cj. 514 – Vila Olímpia, CEP: 04552-060 – Zona Sul, SP.
Contatos: 11-3791-7701 / 11-3791-7702 / 11-95395-333 (WhatsApp comercial).
Com acesso controlado, possui estacionamento pertencente ao prédio comercial.

 

Texto: Jornalista Carina Gonçalves – MTB: 48326

Ainda tem dúvidas sobre procedimentos ou quer agendar uma Consulta?

Entre em contato conosco por WhatsApp para solicitar um agendamento

Atendimento via Whatsapp

Contato e Localização

Rua Conselheiro Saraiva, 207, Conj. 606
Santana São Paulo SP 02037-020
Google Maps
Waze
Rua Pequetita, 111, Conj 514
Vila Olímpia São Paulo SP 04552-060
Google Maps
Waze